• Cobramor

Um poema para a Ucrânia (tropa não)

Atualizado: 9 de mar.



Quando fiz 18 anos

fui à inspecção militar

era o que tinha de aceitar

por ser homem, para me emancipar.

A tropa era obrigatória

mas como estava a estudar

consegui uma moratória

e eventualmente um amigo

safou-me desse castigo

e lá fui dado como inapto.

Entretanto, já fizemos tanto,

até já fomos a Marte

e ainda se faz guerra,

não como a arte

de Sun Tzu

mas como se o planeta Terra

não tivesse problemas suficientes

entre a fome e a obesidade

e todos os doentes

que essa insanidade

cria;

a espécie humana, tão evoluída

não arranja uma saída

para uma discussão que não

seja ter uma arma na mão.



NATO

URSS

EU

USA

Ucrânia

num conflito armado

a culpa é sempre do estado

não de um, mas de todos

não há melhores nem piores,

não há inocentes

a não ser a população

entre mortos e sobreviventes,

não há vencedores

a não ser quem factura

com os horrores

da hostilidade,

o lucro não tem nacionalidade:

a indústria do armamento

a da energia

e a do alcatrão e do cimento.


Faz paz.

Não faças guerra. Combate-a.