• Cobramor

Homem entra aos tiros num escritório




todas as conspirações

em douradas tardes suburbanas só resultaram em mais sofrimento


perder tem a sua dignidade

a menos que seja a dignidade

o que se perde

e o mundo que planeámos

não só não nasceu

como deu tudo errado


já não somos donos do tempo

porque temos os corações

acorrentados à Máquina,

tornaram-se trevas mecânicas,

as palavras inspiradoras

que ambicionámos brandir como armas

foram silenciadas pelo livro da Ordem,

demos por nós tantas vezes

sem mais nada para dizer


toda a magia da luz que jurámos nunca desperdiçar

passa por nós imaculada

enquanto somos digeridos

pelas entranhas do Monstro

feito de betão armado e vidro


aquele doce voto em que

nos prometemos amar

ao sabor do desejo

foi esmagado

por todos os falsos desejos

que foram criados,

onde nos perdemos e decomposemos


é por causa dessa

tirania das memórias

que as horas tanto custam a passar

afastando-nos cada vez mais

do sítio onde queríamos ir

rasgamo-nos e rompemo-nos e esfarrapamo-nos


provavelmente um dia

um de nós entrará

com uma espingarda no open space

disparando aleatoriamente sobre os trabalhadores


se não os podemos vencer

pelo menos podemos escolher

como cair

& quantos levamos connosco